Connect with us

Música

O que o aplicativo de música Spotify pode nos ensinar sobre a economia

Publicado

on


Pesquisadores estão começando a pensar que é esse tipo de informação que pode dar uma ideia valiosa sobre o humor – e, portanto, comportamento – dos consumidores. ‘Shape of You’, de Ed Sheeran, é a música mais popular no Spotify
Getty Images
“Uma semana depois, deixamos a história começar
Estamos saindo no nosso primeiro encontro
Você e eu somos mãos-de-vaca
Então vamos num rodízio
Você enche a sua bolsa, eu encho o meu prato”.
Ed Sheeran e seus compositores provavelmente não estavam pensando na economia global quando escreveram a letra da música “Shape of You”.
No entanto, assim como a maioria das músicas que ouvimos no serviço de streaming Spotify, esse tipo de dado pode dar uma ideia valiosa sobre o humor – e, portanto, o comportamento – dos consumidores. Ao menos é isso o que pesquisadores acreditam que está acontecendo hoje.
Andy Haldane, economista-chefe do Banco da Inglaterra e encarregado de monitorar os dados econômicos do país, diz que, se os economistas querem saber o que está acontecendo, eles deveriam focar em novas áreas de “big data” além das fontes tradicionais de informação.
Em um discurso recente, ele disse que “é estimado que 90% de todos os dados criados foram produzidos nos últimos dois anos. Uma boa parte disso veio como consequência das redes sociais”.
“Capturar os sentimentos e preferências verdadeiros das pessoas é terrivelmente difícil”, ele continuou. “Pesquisas tradicionais com participantes do mercado ou o público em geral tendem a ser enviesadas pela amostra e enquadramento das respostas… Isso pode demandar uma maneira não-tradicional de revelar as preferências e os sentimentos das pessoas”.
Mapeamento
O editor de economia da BBC, Kamal Ahmed, diz que, apesar de não achar que Haldane esteja defendendo o abandono da economia tradicional, ele está certo em questionar a eficiência de métodos como pesquisas para entender como opera a economia.
“Perguntamos às pessoas como elas se sentem em relação a X, Y e Z em uma escala de 1 a 10, e isso não bate com o comportamento das pessoas”, diz Ahmed. “A economia comportamental se aproximou muito da economia enquanto disciplina. Entender como as economias operam tem muito mais a ver com como nos sentimos do que o que achamos que estamos fazendo, e nós não somos seres racionais”.
É aí que entram escolhas musicais, como Haldane observa em uma pesquisa recente que usou dados coletados do top 100 da Billboard americana e da Official Charts Company do Reino Unido. Ambos os gráficos são compostos pelas 100 músicas mais tocadas na rádio pública e em serviços online de streaming, além da maior venda em dólares.
Pesquisadores da Universidade de Claremont usaram dados de 2000 a 2016 para categorizar músicas com classificações como energia, dançabilidade, altura e sentimento (positivo ou negativo) por meio do Desenvolvedor API do Spotify, que cria algoritmos para sugerir músicas e playlists personalizadas aos usuários.
Os resultados mostraram que a positividade e a energia das músicas mais populares têm diminuído desde 2000, enquanto o ritmo e a altura se mantiveram estáveis. Já a dançabilidade está em crescimento.
Impacto da crise
Os pesquisadores também analisaram as letras das músicas para categorizar as canções em oito sentimentos: alegria, tristeza, raiva, medo, nojo, surpresa, confiança e antecipação. Ao observar as músicas mais populares durante 2008, ano de uma difícil crise financeira global, eles descobriram que as músicas com letras associadas a antecipação, nojo, tristeza, medo e raiva aumentaram sua popularidade entre 2008 e 2009 e depois começaram a cair após essa data. De acordo com a pesquisa, “isso indica que as pessoas estão projetando seus estados de espírito na música que decidem ouvir”.
O economista-chefe do Banco da Inglaterra considerou os resultados significativos e percebeu uma outra descoberta da pesquisa. “O índice resultante de sentimentos também rastreia de maneira intrigante os gastos dos consumidores tão bem quanto a pesquisa de Michigan sobre a confiança do consumidor”, diz, em referência ao índice mensal da Universidade de Michigan (EUA), que oferece uma representação nacional dos sentimentos dos consumidores, o que implica nos valores das bolsas e seguros.
“E por que parar na música?”, questiona Haldane. “O gosto das pessoas em livros, TV e rádio também podem oferecer uma janela da alma. Assim como seu gosto em jogos”. Ele usa os jogos World of Warcraft e EVE Online como exemplos de mercados virtuais que dão aos economistas uma oportunidade para aprender mais sobre o comportamento envolvido em gastos.
Comportamento
Então, o que a música que ouvimos e nossas preferências culturais revelam sobre nossas ações como consumidores? As músicas mais ouvidas em 2017 foram “Shape of You”, de Ed Sheeran, “Despacito”, de Luis Fonsi com Daddy Yankee e Justin Bieber, e “Something Like This”, de Chainsmokers com Coldplay.
Todas elas são “uptempo” (ritmo acelerado) e pop. Isso significa que a economia está indo bem, considerando que a ciência apontou que o inverso também é verdade, que tendemos a ouvir músicas melancólicas quando estamos tristes em situação de crise?
Kamal Ahmed diz que não podemos tirar conclusões ainda, já que o mundo muda em um ritmo acelerado.
“O problema é que as informações do Banco da Inglaterra reafirmam teorias que vão décadas e séculos atrás para que você possa julgar essas coisas durante um longo período de tempo”.
Ele avisa que a velha máxima “correlação não implica causalidade” permanece. “Encontrar uma correlação em um ano pode não ser verdade em cinco anos, então é preciso ter cuidado”, diz.
“Você pode achar quase qualquer coisa se olhar com atenção o suficiente porque há bilhões de dados produzidos todos os dias, mas é importante entendermos sentimentos e economia de uma maneira mais século 21”.
source

Continue lendo
CLIQUE PARA COMENTAR

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Música

Kidd Creole é condenado por homicídio culposo

Publicado

on


Nathaniel Glover foi um dos membros originais do grupo Grandmaster Flash and the Furious Five. Rapper esfaqueou homem sem-teto de 55 anos em Nova York em 2017. Kidd Creole se apresenta em tribunal de Nova York em 2017
Steven Hirsch/New York Post via AP, Pool
Um júri julgou como culpado, nesta quarta-feira (6), o rapper conhecido como Kidd Creole pela morte de um homem sem-teto em Nova York, nos Estados Unidos, em 2017.
A sentença deve ser anunciada em 4 de maio. Ele pode pegar até 25 anos de prisão por homicídio culpado em primeiro grau.
O artista de 62 anos, chamado Nathaniel Glover, ficou famoso nos anos 1980 como um dos membros originais do grupo de hip hop Grandmaster Flash and the Furious Five.
Glover estava a caminho do trabalho quando cruzou com a vítima, John Jolly, na rua e o esfaqueou duas vezes no tronco. A vítima foi levada ao hospital, mas não sobreviveu.
De acordo com depoimento do rapper à polícia após ter sido identificado e preso, Glover ficou nervoso por acha que Jolly estava dando em cima dele.
“Eu queria nunca tê-lo visto. É tudo culpa minha. Eu escolhi esfaqueá-lo. Tenho de aceitar a responsabilidade por isso”, afirmou no depoimento na época do crime.
source
Todas as notícias são publicadas no formato RSS, disponibilizadas por grandes portais na Internet sendo conteúdo autênticos.

Continue lendo

Música

São João 2018 de Campina Grande

Publicado

on


Parque do Povo sedia shows do Maior São João do Mundo de 8 de junho a 8 de julho. São João 2018 de Campina Grande Parque do Povo sedia shows do Maior São João do Mundo de 8 de junho a 8 de julho. Abertura teve Mano Walter, Santanna e show pirotécnico. Luan Santana: ‘Quero mostrar que Campina Grande tem o maior São João’. Elba Ramalho surpreende com reggae, arrocha e rock. Fagner celebra Luiz Gonzaga e dedica show a Elba Ramalho. Bell Marques encerra São João 2018
source

Continue lendo

Música

Avião de Alok sai da pista em aeroporto de Juiz de Fora; DJ passa bem

Publicado

on


Aeronave derrapou durante a decolagem; não houve feridos. ‘Nascemos de novo’, escreveu DJ nos stories do Instagram. Avião de DJ Alok derrapa na decolagem em Juiz de Fora
Um avião que transportava o DJ Alok saiu da pista durante a decolagem no aeroporto em Juiz de Fora, da Zona da Mata mineira, no final tarde deste domingo (20). Não houve feridos e a assessoria do DJ disse que ele passa bem.
Alok Achkar Peres Petrillo tem 26 anos e é natural de Goiânia (GO). O DJ é atualmente um dos grandes nomes da cena eletrônica mundial. “Hear me now” é um dos hits mais populares lançados pelo artista.
Por telefone na noite deste domingo, a assessoria da Força Aérea Brasileira (FAB) informou inicialmente que houve uma “excursão de pista”, que o avião não chegou a derrapar, acendeu um alarme enquanto estava subindo, alertando alguma pane. Ainda segundo a FAB, seriam verificados quais procedimentos adotados neste caso.
Na manhã desta segunda-feira (21), em nota, a FAB disse que investigadores do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos realizarão nesta segunda a Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave e que este é o começo do processo de investigação e “possui o objetivo de coletar dados: fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de pessoas que possam ter observado a sequência de eventos”.
Logo após o incidente, o artista se manifestou nas redes sociais. DJ Alok gravou imagens mostrando o avião e tentou dizer algumas palavras aos fãs. “Galera, fui decolar aqui… o avião…”, disse demonstrando nervosismo.
DJ Alok em vídeo postado em uma rede social após incidente com avião em Juiz de Fora neste domingo (20)
Ofegante, ele não conseguiu completar a frase e apenas continuou filmando. Na sequência publicou por escrito: “Estamos todos bem. Só consigo agradecer! Nascemos de novo! 20 de maio, meu segundo nascimento.”
Mensagem de ALok nas redes sociais: ‘Nascemos de novo!’
Reprodução/Alok/Instagram
Em outra rede social, Alok reiterou que ele e a equipe estão bem. “Estamos todos bem” Só consigo agradecer! Obrigado, Deus!”, escreveu.
DJ Alok tranquiliza fãs nas redes sociais após susto no Aeroporto de Juiz de Fora neste domingo (20)
Reprodução/Alok/Twitter
A equipe do MGTV confirmou que nove pessoas, contando com piloto e copiloto, estavam na aeronave, um Cessna modelo 560X, prefixo PR-AAA. O avião pertence ao DJ e está em situação regular. O MGTV também apurou que o avião só deve ser retirado da pista nesta segunda-feira (21).
A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo (Sedettur) comunicou que o incidente durante a decolagem da aeronave ocorreu por volta das 16h30 no Aeroporto Municipal Francisco Álvares de Assis, conhecido como Aeroporto da Serrinha.
Ainda em nota, a Sedettur declarou que os procedimentos de segurança foram acionados pela empresa que opera o aeroporto, assim como os contatos com o Corpo de Bombeiros e os órgãos ligados à Aeronáutica.
A Polícia Militar (PM), que acompanhou os trabalhos de segurança no local, também informou que, apesar de ter parado no fim da pista com o bico virado para baixo, o avião não sofreu sérios danos na fuselagem. Os bombeiros estiveram no local para limpeza e prevenção contra incêndio.
Em vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver a aeronave fora da pista e uma nuvem de fumaça.
Avião de Alok sai da pista em Juiz de Fora; DJ passa bem
No sábado (19), Alok fez um show com o cantor Luan Santana no Lavras Rodeo Festival, na cidade sulmineira de Lavras, e depois se apresentou na Festa Country, realizada no Parque de Exposições de Juiz de Fora. Neste domingo, ele se apresentaria no Pump Sunset, em Belém, Pará.
Ele e sua equipe alugaram um carro e cada seguiu para casa. O show no Norte do país foi cancelado. A informação foi confirmada em nota pela assessoria do artista.
“Informamos que na tarde de hoje, dia 20, houve um problema com a aeronave que transportava Alok e sua equipe durante a decolagem no aeroporto de Juiz de Fora, onde fizeram um pouso de emergência. O artista estava indo para Belém, local onde faria um show nesta noite, porém foi adiado. Ressaltamos que não houve feridos. Todos passam bem e estão indo para suas residências”, diz a nota.
No início desta semana, Alok anunciou em seu perfil oficial no Instagram que sua namorada, Romana Novais, perdeu o bebê que os dois esperavam.
Universitária presenciou ‘susto’ com avião
A universitária Sarah Carvalho foi uma das pessoas que estavam no Aeroporto da Serrinha esperando o DJ neste domingo.
Ela estava na companhia da mãe e de uma amiga, contou ao G1 que não foi ao show dele em Juiz de Fora porque tinha uma prova neste domingo de manhã.
“A minha única chance de vê-lo era no aeroporto. Ele chegou de carro, mas entrou por outro hangar. Ele apareceu caminhando na pista e fez gestos de que estava atrasado. Mesmo assim, ele foi até a grade e tirou fotos com todo mundo. E a gente ainda desejou boa viagem e falou para ele ir com Deus”, relatou a fã.
A universitária Sarah Carvalho tirou foto com DJ Alok antes de ele embarcar no avião no Aeroporto da Serrinha em Juiz de Fora
Sarah Carvalho/Arquivo Pessoal
A universitária contou que viu a equipe embarcar e iniciar os procedimentos de decolagem. Então ela percebeu pessoas correndo na pista.
“Uma garota passou correndo e disse que tinha dado problema com o avião. A gente começou a correr. Eu entrei no meio do mato. Vi o avião naquele barranco, com a parte traseira levantada. Havia muita fumaça preta.”
Avião do DJ Alok saiu da pista no procedimento de decolagem; fã registrou incidente
Sarah Carvalho/Arquivo Pessoal
A estudante conta que o susto foi grande.
“Eu cheguei na hora que ele estava saindo. As cinco pessoas da equipe saiu e os pilotos também. Fiquei tranquila quando vi que ele estava bem, embora parecesse assustado e em choque. Eu estou chocada. É algo que você nunca espera ver. A gente desejou boa viagem para ele. E isso aconteceu. Vi os carros do aeroporto chegarem e conversarem com as pessoas.”
Em rede social, artista fez imagens dele e do avião, após areonave sair da pista ao decolar em Juiz de Fora
Reprodução/Alok/Instagram
Outro incidente
No final de outubro de 2017, outro avião saiu da pista do aeroporto de Juiz de Fora, mas no momento do pouso. O incidente é tecnicamente chamado de “excursão de pista”. A aeronave, que pertencia ao Hospital Dr. João Felício, foi parar perto de um barranco.
Na época, cogitou-se que o mau tempo influenciou no acidente e, à produção do MGTV, o presidente da Associação Pró-Serrinha, Alexandre Maestrini, disse que, como o aeroporto não tem sala de operação, os pilotos têm que se comunicar entre eles mesmos e também decidir por eles mesmos o que fazer.
“Sem o operador, o piloto não consegue ter informações da pista, nem condições de pouso, nem do tempo”, disse Maestrini.
Poucos dias depois, um processo de licitação foi concluído para que a administração do aeroporto, até então com a Prefeitura, passasse para uma empresa terceirizada.
Em janeiro deste ano, um monomotor derrapou e capotou na pista durante treinamento no Aeroporto da Serrinha. Como nos demais casos, ninguém se feriu.
*Colaboraram com a reportagem Daniela Ayres e Inácio Novaes
source

Continue lendo

Trending